Kinvo Artigos

Ações em queda: porque você não deve comprar

ações em queda: comprar ou não

Compartilhe essa publicação

Porque você não deve comprar ações em queda

Se você já estudou alguma coisa do mercado, talvez você já tenha ouvido falar de não pegar a faca caindo. Essa expressão sugere que você não compre ações em queda

Se seguirmos à risca essa máxima, com certeza, ficaríamos fora de muitas oportunidades de ações baratas. Afinal, para ela ficar barata, muitas vezes a ação precisou cair bastante.

A base da análise fundamentalista pressupõe que existe assimetria da informação no mercado, ou seja, as informações sobre aquela empresa não estão simetricamente distribuídas. Então os agentes com menos informação estão vendendo aquela ação, fazendo o seu preço cair, ou o inverso.

Essa é a filosofia dos fundamentalistas, posso até colocar uma frase de Warren Buffett para contribuir com a ideia:

“Somente os vendedores líquidos devem se preocupar com ações em queda. Os demais devem encarar isso como uma oportunidade.”

Então para o bom velhinho é bem simples: se compra uma ação quando ela está caindo.

Penso até igual ao Buffett, porém, eu tenho que colocar dois pontos nesse assunto: Precisamos separar uma queda sistemática de uma queda idiossincrática e tao que é uma ação de qualidade para uma ação de growth.

Queda sistemática

Quando uma ação faz um movimento de queda, ela pode acontecer por conta de um movimento sistemático, que é um cenário de queda generalizada. É quando diversas ações caem, de diversos setores diferentes, onde não adianta diversificar pois, provavelmente, a sua ação vai cair junto com o mercado.

Posso citar como exemplo situações onde notícias e rumores contaminam todo o humor do mercado. Diversas vezes o fato em si não muda nada para o faturamento daquela determinada empresa, mas de qualquer forma ela cai, por conta do movimento do mercado.

Queda idiossincrática

Já o movimento de queda idiossincrática é aquele que é individual em determinada ação. Algum fato novo, prejudicou as perspectivas para aquela empresa e ela acaba fazendo um movimento de queda sozinha.

Eu diria que é muito difícil para o investidor comum, reconhecer uma “oportunidade” quando temos uma queda individual. Identificar a qualidade da empresa e as consequências desse fato novo exige um conhecimento muitas vezes inexistente no investidor amador.

O recomendável é que fique de fora desse tipo de ação em queda, na grande maioria das vezes o investidor que tentar achar um fundo nessa ação, vai acabar pagando a conta no final.

Quando existe um cenário de queda sistemática, existe um cenário com maior probabilidade de acerto, por parte do investidor comum. Afinal, a queda no mercado de ações, muitas vezes não influencia na empresa e isso gera uma oportunidade.

A ideia base da análise fundamentalista é comprar algum ativo abaixo do seu valor justo, quando acontece esse tipo de queda, podemos ter essa janela de oportunidade. Posso citar a crise do Covid, onde a bolsa brasileira chegou a cair quase 50% e diversas empresas ficaram com preços abaixo do seu valor patrimonial.

Ações de growth x Ações de qualidade

Então é só comprar quando acontecer uma queda sistemática? Não! Precisamos ainda identificar o tipo de ação, se ela é de qualidade ou de growth.

As ações de growth, são aquelas que o mercado precifica com um forte potencial de crescimento, seja em questões operacionais e em relevância no setor. Naturalmente essas ações possuem uma precificação elevada, acima do normal.

Se você for tentar fazer um valuation, processo para identificar o preço justo, dessas empresas, vai identificar que essas ações são “caras”. O mercado está pagando por um alto crescimento para os próximos anos.

Então em movimentos de queda, nem sempre as ações de growth se tornam oportunidades. Muitas vezes era necessário essa correção nos preços para um ajuste no seu preço e projeções.

A ideia de comprar algo que está caindo se aplica somente para as ações de qualidade. Aquelas empresas que possuem lucros constantes, baixo endividamento e projeções de crescimento menores, porém factíveis.

Esse tipo de empresa torna mais fácil a identificação, pois diversas vezes esses ativos vão ficar abaixo do seu valor justo. Aumentando assim a sua margem de segurança nesse tipo de investimento, sem a necessidade de resultados extraordinários por parte da empresa. Ela só precisa continuar fazendo, o que já sabe fazer.

Ao comprar uma ação de growth, você compra um risco de expectativa do mercado, esse tipo de risco é muito reduzido em empresas de qualidade.

Em resumo, a ideia é ficar de fora quando as ações de growth caem, principalmente se for uma queda individual, dificilmente vai ser fácil identificar uma oportunidade assim. Os eventos onde existem as melhores probabilidades de acerto são em quedas sistemáticas e compras de ativos de qualidade.

Então devemos ter um filtro ao ver uma ação caindo muito, pois nem sempre é oportunidade, devemos analisar de forma mais fria o tipo de ação e o que aconteceu para aquela ação cair assim.

Quer começar a investir em ações? Conheça o Kinvo App e tenha mais controle da sua carteira!

Texto por: Alan de Oliveira, Especialistas em Ações

Alan possui mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, já atuou como broker, analista de valores mobiliários e atualmente é diretor de risco.

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar