Kinvo Artigos

Inflação: como funciona e como ela é calculada? Entenda!

como é calculada a inflação

Compartilhe essa publicação

Entender como é calculada a inflação é importante para o seu cotidiano e para sua estratégia de investimento no mercado financeiro. Afinal, ela representa um dos principais pontos de atenção para o poder público, as empresas e a população. 

Isso acontece porque as mudanças de preços de produtos, bens e serviços exercem impacto direto no poder de compra das pessoas. Além disso, até mesmo a rentabilidade da sua carteira de investimentos é influenciada por esse indicador.

Portanto, é interessante entender mais sobre a inflação e qual a lógica do cálculo por trás dela. Acompanhe a leitura deste artigo para compreender essa temática!

O que é inflação?

Antes de saber como a inflação é calculada, vale lembrar o que ela representa. Afinal, embora seja comum acompanhar notícias sobre o tema, muitas pessoas ainda não têm uma compreensão clara sobre o seu significado. 

Assim, a inflação consiste no aumento geral e constante nos preços de produtos, bens e serviços do mercado. Nesse sentido, ela costuma ser um dos agentes causadores da perda do poder de compra da população. 

Contudo, embora seja comum tratar a inflação como um indicador negativo, ela não é, necessariamente, ruim para a população. Quando está sob controle, essa variação de preços pode indicar que a economia do país está em um período de crescimento. 

Entretanto, ela se torna danosa quando os aumentos de preço acontecem de forma recorrente e o poder de compra dos consumidores não evolui. Ou seja, existe um aumento constante no custo de vida da população. 

No Brasil, o indicador oficial da inflação é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ele é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que monitora uma cesta de produtos e indica a variação média de preços dentro de determinado período.

Por que ela acontece?

Agora que você entendeu o que é a inflação, é relevante saber por que ela acontece. Nesse sentido, é pertinente compreender quais são os seus tipos e como cada um funciona. 

Entre os tipos de inflação, existe:

  • de custos;
  • de demanda;
  • inercial.

A inflação de custos refere-se às despesas envolvidas na produção de determinados produtos. Por exemplo, se houver o encarecimento de uma matéria-prima no mercado, o preço das mercadorias que a utilizam também pode aumentar. Esse indicador é conhecido, ainda, como inflação de oferta.

Já a inflação de demanda acontece quando o mercado não consegue atender às necessidades da população. Ou seja, o interesse do público por determinado produto ou serviço é maior do que a disponibilidade dele. Desse modo, pode haver um aumento nos preços.

Por último, a inflação inercial é um elemento mais especulativo. Ela envolve o que o mercado espera de determinada economia. Geralmente, esse tipo considera aspectos como o histórico do país e a confiança global em relação a ele.

Como a inflação é calculada?

Como você viu, o IPCA é o indicador oficial da inflação no Brasil. Desse modo, é conveniente usá-lo como exemplo para que você entenda a lógica por trás do cálculo da inflação no país. 

Assim, o índice se baseia em uma cesta de produtos, bens e serviços para sua análise. Ela inclui itens presentes nos hábitos de consumo de quase toda a população. 

Os grupos analisados são:

  • alimentação e bebida; 
  • artigos de residência;
  • comunicação; 
  • despesas pessoais; 
  • educação; 
  • habitação; 
  • saúde e cuidados pessoais; 
  • transporte; 
  • vestuário.

Cada um deles recebe um peso para a base de cálculo. No ano de 2021, por exemplo, os produtos, bens e serviços nos segmentos de transporte e de alimentação e bebida eram os mais relevantes para a média ponderada do IPCA.

Assim, o IBGE acompanha mensalmente essa cesta nas maiores cidades do Brasil — de todas as regiões. Além disso, cada metrópole exerce uma influência na base de cálculo. As variações de preços em São Paulo costumam ser as mais relevantes. 

A partir da média ponderada, o IBGE apresenta a inflação do período. Esse número também serve como referência para as mudanças da taxa Selic, de responsabilidade do Banco Central (Bacen).

Contudo, o IPCA não é o único índice de inflação no Brasil. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) são outros exemplos. Apesar da lógica por trás do cálculo ser similar, eles usam uma cesta diferente como referência. 

Quais são os impactos da inflação sobre os investimentos?

Além de impactar o seu poder de compra, a inflação também é responsável por influenciar os resultados da sua carteira de investimento. Para entender melhor, é interessante conhecer os conceitos de rentabilidade nominal e real.

A rentabilidade nominal refere-se aos ganhos que você teve com um investimento em determinado prazo. Já a rentabilidade real é dada descontando a inflação do período desse resultado.

Para entender melhor, imagine que você investiu em um título de renda fixa com uma taxa de juros prefixada de 8% ao ano. Porém, nesse mesmo ano, o IPCA acumulado foi de 10%. Isso significa que seus ganhos ficaram abaixo da inflação e você teve rentabilidade real negativa.

Por que entender o assunto?

Como você viu, a inflação é responsável por influenciar o seu poder de compra e pode impactar os resultados dos seus investimentos. Dessa forma, compreender a base de cálculo da inflação permite desenvolver estratégias para evitar a rentabilidade real negativa. 

Assim, é possível potencializar seus ganhos ao mesmo tempo em que preserva o poder de compra do seu capital. Uma alternativa para se proteger, em um cenário de inflação elevada, é fazer investimentos atrelados à inflação. 

Na renda fixa, por exemplo, existem títulos híbridos que remuneram a variação do IPCA com o acréscimo de uma taxa fixa. Assim, eles possibilitam obter ganhos reais no vencimento. 

Os fundos de inflação também são uma alternativa para esse objetivo. Trata-se de uma modalidade coletiva que estrutura o portfólio com produtos de renda fixa com rentabilidades vinculadas às variações da taxa inflacionária.

Contudo, é oportuno que você considere o seu perfil de investidor antes de avançar com os aportes. Ademais, o prazo dos seus objetivos também colabora para a seleção de investimentos. Em geral, os títulos com rentabilidade atrelada ao IPCA se adequam melhor às estratégias de longo prazo.

Saber como é calculada a inflação traz benefícios para o seu planejamento financeiro e pode ser útil para balizar suas decisões de investimento. Portanto, agora que você entendeu mais detalhes sobre o tema, é possível organizar estratégias para proteger seu patrimônio e os seus investimentos.

Quer conferir mais informações sobre o mercado financeiro? Acompanhe nosso blog!

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar