Kinvo Artigos

IR sobre investimentos: saiba quais são as alternativas isentas!

Compartilhe essa publicação

Investir envolve analisar diversos fatores, como prazo, rentabilidade e tributação das alternativas. Nesse sentido, o Imposto de Renda (IR) sobre os investimentos merece atenção, pois pode impactar nos rendimentos da sua carteira.

Afinal, cada alternativa tem suas próprias características em relação aos tributos. Inclusive, existem investimentos que são isentos de IR, o que pode ser interessante para investidores que buscam potencializar seus retornos.

Quer saber mais? Neste artigo, você conhecerá as principais alternativas isentas de IR disponíveis no mercado financeiro para investir. Confira!

 

Como funciona a tributação dos investimentos?

O Imposto de Renda é o principal tributo que incide sobre os investimentos. A cobrança varia de acordo com a classe e o tipo de título ou ativo que você possui na carteira. Por isso, não existe uma regra de tributação geral.

 

Nos títulos de renda fixa, por exemplo, o IR sobre a rentabilidade segue a tabela regressiva. Funciona assim:

  • 22,5% para aplicações com prazo de até 180 dias;
  • 20% de 181 até 360 dias;
  • 17,5% de 361 até 720 dias;
  • 15% acima de 720 dias.

 

Além disso, os fundos de investimento classificados como de longo prazo pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) seguem a mesma regra. Já os fundos de curto prazo são tributados em:

  • 22,5% para investimentos com prazo de até 180 dias;
  • 20% para prazos acima de 180 dias.

 

Nos fundos de curto ou de longo prazo também incide o come-cotas. Trata-se da antecipação semestral do Imposto de Renda. Nesse caso, é utilizada a menor alíquota, sendo que o restante pode ser pago no momento do resgate, se houver diferença.

No caso das ações, o pagamento do IR ocorre sobre o ganho de capital. A alíquota é de 15% nas operações comuns e 20% no day trade. Há isenção para operações comuns para um volume de vendas de até R$ 20 mil no mês. Outras regras se aplicam para os demais investimentos.

Porém, ainda podem existir outras regras, como no caso de fundos imobiliários (FIIs), fundos de ações, entre outros. Portanto, é sempre importante pesquisar a regra de cada tipo de investimento antes de fazer o aporte.

 

Quais os possíveis impactos da tributação nos rendimentos?

Você já aprendeu que a tributação incide sobre os rendimentos de determinados investimentos. Logo, ela pode reduzir o retorno obtido. Ademais, considerar apenas o percentual ou o índice de retorno dos investimentos, sem os efeitos da tributação, pode alterar os possíveis resultados.

Por esse motivo, é fundamental considerar os descontos aplicados em cada alternativa para que as comparações sejam mais corretas. Conferir os impactos do IR também ajuda a fazer uma análise robusta da sua carteira de investimentos e da rentabilidade real.

Além disso, conhecer alternativas isentas de Imposto de Renda pode ser uma forma de melhorar seus resultados. No entanto, vale ressaltar que existem outros aspectos que devem ser considerados no momento de fazer as análises, como seu perfil de investidor e objetivos financeiros.

 

Quais investimentos são isentos de IR?

Como você viu, investimentos isentos de IR podem ajudar a melhorar os resultados do seu portfólio. Então vale a pena conhecer as alternativas disponíveis no mercado para entender se elas estão alinhadas às suas necessidades e expectativas.

Por exemplo, quando o assunto é investimento isento de IR, a poupança é uma das opções mais conhecidas pelos investidores. Contudo, ela oferece rendimentos mais baixos. Assim, pode ser interessante conhecer outras alternativas que têm esse benefício fiscal.

Se você já investe na poupança, mas busca outras opções isentas de IR e com retornos mais atrativos, conheça algumas das principais alternativas:

 

LCI e LCA

As letras de crédito imobiliário (LCIs) e do agronegócio (LCAs) representam títulos de dívida emitidos por bancos visando captar recursos para as respectivas áreas. Por se tratar de investimentos de renda fixa, possuem rentabilidade previsível.

Na data de vencimento ou no resgate antecipado do título, o investidor receberá o valor aportado acrescido da rentabilidade combinada. Nessas aplicações, há isenção do pagamento de IR sobre o rendimento para pessoas físicas.

 

CRI e CRA

Os certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) e do agronegócio (CRAs) também são alternativas de renda fixa com isenção de IR. Esses títulos são emitidos por securitizadoras, que adquirem direitos de dívidas de outras empresas e lançam produtos de investimento no mercado.

Com isso, os investidores interessados podem adquirir os títulos. A isenção das LCIs, das LCAs, dos CRIs e dos CRAs acontece porque todos eles estão ligados a segmentos considerados essenciais para fomentar a economia nacional.

 

Debêntures incentivadas

Debêntures também são títulos de dívida de renda fixa, mas são emitidas por empresas. Essas alternativas são utilizadas para obter o capital necessário para realizar projetos e financiar atividades em diversos setores.

Existem diferentes tipos de debêntures disponíveis no mercado financeiro. No entanto, apenas as incentivadas são isentas de IR para os investidores. Isso acontece porque elas servem para financiar projetos de interesse nacional.

Logo, os recursos são utilizados, por exemplo, em obras de infraestrutura em rodovias, transmissão de energia, portos etc.

 

Dividendos de ações e FIIs

Não é apenas a renda fixa que oferece alternativas de investimentos isentas de Imposto de Renda. Quem investe na bolsa de valores, por exemplo, também encontra oportunidades. Com relação às ações, é importante entender que existem duas maneiras básicas de obter lucros no longo prazo.

A primeira é pela valorização dos papéis e posterior venda. Nesse caso, como você viu, há isenção para o limite de até R$ 20 mil mensais. Outra possibilidade de ter rendimentos é pela distribuição de proventos, que podem ser de diversos tipos — os dividendos são os principais.

Contudo, eles também têm uma vantagem, pois são isentos de Imposto de Renda ao investidor. Isso porque a empresa que distribui esses proventos já paga IR sobre o lucro antes de compartilhá-lo com os acionistas.

Da mesma forma, é possível ter isenção de IR sobre os dividendos dos FIIs para pessoas físicas. Nesse caso, o dinheiro que cai na sua conta proveniente da divisão de lucros do fundo é livre do desconto do imposto.

Contudo, não há faixa de isenção pelo ganho de capital na venda das cotas de FIIs negociadas na bolsa de valores. Aqui, a alíquota é de 20% de IR sobre os rendimentos.

Com essas informações, você viu que o IR sobre investimentos varia de acordo com a alternativa escolhida. Entretanto, existem opções isentas de Imposto de Renda que podem ser utilizadas para montar um portfólio sólido e diversificado.

Sabia que você pode consolidar todos os seus investimentos em um só lugar e avaliar o desempenho global da sua carteira? Conheça a plataforma Kinvo e monitore melhor seus resultados!

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar