Kinvo Artigos

Renda fixa pagando mais de 10% ao ano: é uma boa? 

Renda fixa pagando mais de 10% ano ano

Compartilhe essa publicação

Quem acompanha o mercado financeiro com certeza já recebeu alguma oferta de renda fixa pagando mais de 10% ao ano. O que pouca gente se pergunta é se realmente é interessante investir nesses títulos por agora.

Antes de tudo, eu me chamo Alan de Oliveira e é sobre isso que vamos conversar neste artigo.

Você também pode assistir ao vídeo:

 

Renda fixa pagando mais de 10%: entendendo as oportunidades

A promessa de retorno na casa de dois dígitos, frente ao retorno da Selic de 2020, que chegou na casa dos 2%, parece irresistível. Porém existem alguns pontos que devemos analisar antes de classificar algo como “oportunidade”.

Rentabilidade

A primeira frase que gostaria de falar sobre o assunto, é uma clássica: “Não existe almoço grátis”.

A rentabilidade oferecida hoje na renda fixa, pode ser adquirida em diversos títulos e instituições.

O senso de oportunidade e necessidade de aplicar rapidamente em uma renda fixa por agora, nada mais é do que uma consequência de um marketing bem feito e um retorno ruim em 2020, tanto na Bolsa de Valores quanto na renda fixa.

Neste exato momento, o Tesouro Direto oferta títulos de 11% ao ano e IPCA + 5% ao ano. Então qualquer rentabilidade oferecida acima dessa taxa, vem com uma possível falta de liquidez e o risco da instituição emissora.

Inflação

Antes de olharmos para esses riscos, que vou falar mais na frente, devemos pensar sobre a inflação. Este é o primeiro critério que devemos olhar para analisar um título de renda fixa.

Eu me lembro um tempo atrás, na minha época de faculdade. Um Ford Ka 0 km era R$ 10.000,00, consultando agora na internet, o preço do Ford Ka mais barato que vi está de R$ 50.740,00.

Isso é a inflação: o seu dinheiro acaba perdendo poder de compra. Quem tinha R$ 10.000,00 naquela época e deixou parado, debaixo do colchão, viu o seu poder de compra sumir.

Você não compra mais carro nenhum com os seus R$ 10.000,00!

Quando pensamos em investir, precisamos verificar o retorno real daquela aplicação. O que chamamos de taxa de juros real é a taxa nominal descontada da inflação. Segundo os dados do IBGE, o IPCA acumulado de 12 meses está de 10,67%. Ou seja, precisaríamos ter um retorno superior ao do IPCA, para falar que tivemos um retorno real positivo.

Com a inflação em patamares tão elevados, precisamos de um retorno maior nos nossos investimentos. Então essas aplicações que estão oferecendo um retorno bem elevado na visão do investidor comum, não estão oferecendo nada mais que um retorno um pouco superior ao da inflação.

Quero deixar claro aqui, que essa renda fixa ofertada hoje, pode não ser essa oportunidade toda que muita gente vem imaginando. A princípio, se a inflação futura permanecer nesse patamar atual, posso facilmente afirmar que não foi um bom investimento esses títulos.

Ao comprar esses investimentos, o primeiro risco que você está assumindo é o da inflação. O IPCA do próximo ano tem que cair, para você ter algum retorno interessante.

Abaixo coloco o gráfico do IPCA dos últimos 10 anos.

gráfico

Hoje a projeção do IPCA para 2022 é de 5%, porém não podemos prender os nossos investimentos a essas projeções. Elas serão ajustadas o ano todo, a cada novo dado do Banco Central.

O ponto é que se a inflação não for tão transitória e durar mais do que o mercado esperar, aplicar dinheiro nesses títulos pode se tornar um pesadelo, principalmente se o investimento tiver algum tipo de carência e não tiver como resgatar.

Instituições financeiras

Outro risco que devemos ficar atentos, por exemplo, é sobre a instituição financeira que será a contra parte do título.

Fique atento que a corretora que você estiver realizando a operação nem sempre será a outra ponta da operação. Na grande maioria das vezes esses títulos com retornos superiores ao do tesouro direto, não são emitidos por grandes instituições financeiras e sim por bancos menores.

O ideal é verificar a saúde dessas instituições, mas sei que esse não é um trabalho fácil para o investidor comum. Então o recomendado é não concentrar demais em um banco emissor e sim diversificar entre vários tipos de renda fixa.

>>> Leia Também: É hora de comprar ações?

Cenário atual

No cenário atual, aplicar no Tesouro Direto que está pagando IPCA + 5% seria a melhor opção na minha visão. Caso o cenário projetado aconteça, um IPCA de 5% em 2022, o seu retorno será próximo aos demais títulos ofertados pelo mercado. Porém se a inflação não for transitória e a situação piorar, você vai garantir o seu ganho real de 5%.

Conclusão

Acho muito importante a diversificação em ativos de renda fixa, aplicar em um pré fixado agora é apostar na inflação, mas você pode ter títulos IPCA e se proteger desse risco. Então diversificar a renda fixa em instituições emissoras diferentes, prazos diferentes e tipos

diferentes, sempre será a melhor estratégia para a grande maioria dos investidores. A pior estratégia para qualquer investidor é aplicar todo seu recurso a somente um único risco.

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar