Kinvo Artigos

Selic em alta: devo migrar os investimentos para renda fixa?

selic em alta

Compartilhe essa publicação

Selic em alta: devo migrar os investimentos para renda fixa?

Após um ciclo de queda na taxa básica de juros, o ano de 2021 encerrou com a Selic em alta — chegando aos 9,25% ao ano. Em um cenário como esse, a renda fixa ganha destaque e é comum que os investidores tenham dúvidas se vale a pena migrar para essa classe de investimentos.

Entretanto, é preciso avaliar a situação com cuidado para tomar uma decisão de modo consciente. Afinal, há diversos outros fatores a considerar nesse processo além da taxa Selic. Assim, é possível garantir que sua estratégia seja contemplada adequadamente nesse momento.

Quer entender se, com a Selic em alta, é mesmo o momento de migrar para a renda fixa? Continue a leitura e saiba mais sobre o tema!

O que é a taxa Selic e como ela é definida?

Antes de compreender como a Selic impacta seus investimentos, é importante conhecer o que ela representa. Na prática, trata-se da taxa básica de juros da economia brasileira. Logo, ela serve como referência para todas as outras taxas definidas, como os juros cobrados nos empréstimos bancários.

Desde que foi criada, a Selic serve como um instrumento da política monetária, que é conduzida pelo Banco Central (Bacen). Por isso, é o Bacen o responsável por definir a Selic, por meio do Comitê de Política Monetária (Copom).

A cada 45 dias, os integrantes do Copom se reúnem e definem se a taxa Selic será mantida, elevada ou reduzida. Para tanto, eles consideram a situação atual do mercado financeiro e as perspectivas para a economia.

Normalmente, a taxa Selic avança para conter a inflação. Com esse movimento, o crédito se torna mais caro e o acesso a ele mais difícil. Isso reduz o consumo e ajuda a frear o avanço de preços. Já a queda da Selic ocorre como forma de estimular o consumo e a economia.

Qual é a relação da taxa Selic com a carteira de investimentos?

Como você viu, a Selic é um dos indicadores econômicos mais importantes da economia brasileira — e ela também influencia seus investimentos. Além de apoiar o controle da inflação, a taxa básica de juros afeta a lógica de rentabilidade de muitas aplicações de renda fixa.

Isso acontece porque a maior parte das aplicações financeiras de renda fixa acompanha, direta ou indiretamente, a Selic. Assim, tanto os títulos do Tesouro Direto quanto os títulos privados rendem mais com o aumento da taxa.

Por outro lado, a renda variável pode ficar menos interessante. O movimento se dá, primeiramente, porque o aumento do retorno dos investimentos de renda fixa faz com que eles tornem mais atraentes. Como essas aplicações têm riscos menores, muitos investidores podem preferi-las.

Logo, o investidor pode optar por correr menos riscos diante da Selic em alta. Além disso, a dificuldade de acesso ao crédito pode impactar os resultados de investimentos de renda variável — como fundos imobiliários e ações da bolsa de valores.

Vale a pena migrar para a renda fixa com a Selic em alta?

Com base nas informações que você teve até aqui, foi possível notar que a Selic em alta aumenta a rentabilidade na renda fixa e tende a impactar o retorno na renda variável. Mas isso não significa que qualquer aplicação de renda fixa será mais vantajosa do que um ativo da outra classe.

Por isso, antes de definir se é o momento de migrar seus investimentos para a renda fixa, é interessante considerar aspectos que são igualmente relevantes para a tomada de decisão.

Veja o que analisar para determinar se é interessante migrar e investir na renda fixa com a Selic em alta!

Considere seu perfil de investidor

Qualquer decisão no mercado financeiro deve ser pautada, primeiramente, pelo seu perfil de investidor. Portanto, vale a pena considerar qual é o seu nível de tolerância ao risco.

Se o seu apetite ao risco for baixo, já é esperado que a sua carteira seja composta por uma parcela maior de renda fixa — esteja a Selic em alta ou não. Já se você for um investidor moderado ou arrojado, não é comum limitar o potencial de ganhos por conta da segurança.

Portanto, é preciso ponderar se investir mais em renda fixa é adequado para você. Ainda que a Selic maior possa trazer rentabilidades mais altas nas aplicações seguras, o potencial da renda variável para o longo prazo continua mais amplo.

Entenda seus objetivos financeiros

Além do perfil, pense nos objetivos que você busca com a realização dos investimentos. Em geral, metas de curto prazo demandam mais segurança — o que combina com certos títulos de renda fixa. Assim, nesse momento, é possível ter rentabilidade maior aproveitando a alta da Selic.

Porém, para objetivos de longo prazo, pondere que a alta da Selic tende a ocorrer por um período limitado. Então é necessário analisar se aproveitar essa condição pontual pode gerar resultados em períodos maiores ou é melhor manter sua estratégia na renda variável, por exemplo.

Conheça os custos de resgastes

Considerando a efetiva migração de renda variável para a renda fixa, é essencial saber quais são os custos envolvidos. Pense, por exemplo, em taxas de corretagem e nos impostos que serão pagos em caso de resgates dos investimentos.

É preciso considerar os impactos na rentabilidade e, consequentemente, no montante disponível para a renda fixa. Além disso, avalie o que você fará se a Selic entrar em um ciclo de queda novamente. Será preciso uma nova migração?

Considere a sua estratégia de investimentos

É indispensável entender a sua estratégia para saber se vale a pena fazer a migração de investimentos da renda variável para a renda fixa. Dependendo de como você pretende investir ao longo do tempo, esse movimento do mercado financeiro pode fazer sentido ou não.

Acompanhe a sua carteira

Por fim, sabendo que o aumento da Selic é temporário e tem efeitos limitados, é importante entender como isso se refletirá em seu portfólio. Portanto, o ideal é acompanhar sua carteira de maneira periódica.

Dessa forma, você poderá avaliar o comportamento dos diferentes investimentos em comparação à Selic, além de identificar oportunidades ou necessidades de rebalanceamento da carteira. Como consequência, ficará mais fácil fazer as adaptações adequadas no portfólio.

Com base no que você conferiu, foi possível perceber que a Selic em alta pode trazer alternativas interessantes na renda fixa. Antes de realizar a migração, entretanto, é preciso avaliar suas características e a sua estratégia, de modo a decidir se faz sentido fazer mudanças no seu portfólio.

Gostou de acessar essas informações? Para acompanhar todos os seus investimentos com facilidade, conheça o Kinvo e aproveite o app!

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar