Kinvo Artigos

4 Dicas para facilitar a declaração dos investimentos no Imposto de Renda

4 Dicas para facilitar a declaração dos investimentos no Imposto de Renda

Compartilhe essa publicação

Uma das maiores vantagens de investir, é a possibilidade de aumentar seu patrimônio ao longo do tempo. Porém, quem investe precisa ter atenção para se manter regular com a Receita Federal. Nesse sentido, é indispensável saber como fazer a declaração de seus investimentos no Imposto de Renda (IR), caso seja obrigado a enviar o documento.

A depender do tipo de investimento realizado haverá uma tributação específica e uma forma de declará-lo. Portanto, se você não quer ter problemas com o Fisco, vale a pena conferir este conteúdo até o final.

Nele, você aprenderá acerca de quem precisa declarar os investimentos e acompanhará 4 dicas para facilitar no momento de fazer a sua declaração. Confira!

Quem precisa declarar o Imposto de Renda? 

Primeiro, é preciso identificar se você precisa enviar a declaração de IR considerando as regras previstas na legislação. Na prática, quem operou na bolsa de valores precisará, obrigatoriamente, enviar a declaração.

Além disso, é obrigado a declarar IR quem se enquadrar em outros requisitos divulgados pela Receita Federal. Na declaração de 2022, por exemplo, precisa enviar o documento quem, em 2021:

  • recebeu rendimentos tributáveis superiores a R$ 28.559,70;

  • recebeu rendimentos isentos acima de R$ 40.000,00;

  • obteve ganho de capital na venda de bens;

  • reunia um patrimônio superior a R$ 300.000,00 até dia 31 de dezembro do ano anterior;

  • comprou um imóvel a menos de 180 dias, após ter vendido um imóvel com isenção de IR.

Ainda, é possível optar por enviar a declaração mesmo se não houver a obrigatoriedade. Em todos os casos, se o documento for enviado, você precisará indicar os seus investimentos e os rendimentos obtidos.

4 Dicas para facilitar a declaração dos investimentos no IR 

Agora que você sabe em quais situações é necessário declarar o IR, confira 4 dicas para facilitar a declaração de seus investimentos ao Fisco.

1. Saiba o que é preciso ser declarado e onde declarar

Para que você tenha mais facilidade no momento de fazer a sua declaração de IR, é preciso saber o que deve ser declarado. Na verdade, todos os investimentos precisam ser informados na declaração, inclusive aqueles que contam com isenções.

A declaração de IR pode ser feita por diversos canais disponibilizados pela Receita Federal. Entre eles estão o Portal e-CAC (web), o aplicativo Meu Imposto de Renda (App Store/ Google Play) e o Programa Gerador de Declaração (Windows, Linux, MacOs).

Todos os ativos que você tinha em carteira até o dia 31 de dezembro do ano anterior devem ser descritos na aba “Bens e Direitos”. Isso serve tanto para aplicações de renda fixa quanto para investimentos de renda variável.

Já os rendimentos devem ser declarados em abas diferentes: “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva” quando o investimento for tributável e “Rendimentos Isentos e não Tributáveis” para os que contam com isenção.

Em relação às operações realizadas na bolsa de valores brasileira (B3) ao longo do ano, você deverá registrar aquelas em que obteve lucro. Operações isentas são declaradas no campo “Ganhos Líquidos em Operações no Mercado à Vista Negociadas em Bolsa de Valores”.

No que diz respeito às operações de day trade (feitas no mesmo dia) ou operações comuns não isentas, elas serão declaradas na aba “Operações Comuns/Day Trade”. Não esqueça que é possível abater do lucro eventuais prejuízos que você teve nos dias ou meses seguintes ao da operação.

2. Decida qual tipo de declaração apresentar com antecedência

Durante o preenchimento da sua declaração de IR, você terá a opção de escolher entre a declaração completa ou a simplificada. É comum que o programa sugira qual é a melhor opção, de acordo com os campos preenchidos pelo contribuinte.

No entanto, é válido já entender os detalhes para definir qual você apresentará ao Fisco. Isso porque o tipo de declaração pode afetar as informações necessárias, alterando o seu planejamento.

Caso você tenha muitos dependentes e gastos que possam gerar restituição, a declaração completa tende a ser mais vantajosa. O mesmo se aplica na hipótese de você ter um plano de Previdência Privada (PGBL — Plano Gerador de Benefício Livre), que permite deduzir uma porcentagem da base de cálculo do IR.

Agora, se você não tiver dependentes e despesas ou possuir um plano de Previdência que não permita fazer abatimentos (VGBL — Vida Gerador de Benefício Livre), a declaração simplificada costuma ser mais apropriada. Nesse caso, será aplicado um desconto padrão de 20% no cálculo do imposto.

3. Faça o controle dos seus investimentos

Como você viu, cada tipo de investimento realizado precisará ser declarado no seu IR. Para facilitar o trabalho no momento de fazer a sua declaração, é interessante que você tenha o registro de todos os seus investimentos.

É possível utilizar diferentes alternativas, como planilhas, cadernos, bloco de notas, softwares, plataformas e aplicativos. Ter esse tipo de controle evita que você esqueça de lançar um investimento e corra o risco de cair na malha fina.

4. Não perca o prazo da declaração

Todos os anos a Receita Federal comunica o prazo para envio da declaração com as regras que devem ser observadas no ano. Em geral, a data limite é o último dia do mês de abril. Em 2022, o prazo limite será 29 de abril. Entretanto, é importante não deixar o preenchimento e o envio para a última hora.

Com a proximidade do final do prazo, é comum que o sistema da Receita Federal fique sobrecarregado. Nesse sentido, se programe para enviar a declaração com antecedência e evitar problemas com o envio, que podem resultar em atrasos.

Vale destacar que o atraso no envio da declaração gera o pagamento de multa de 1% ao mês sobre o montante de imposto devido (limitado a 20%), além de juros e correção monetária.

Ademais, não declarar IR nas hipóteses em que a declaração é obrigatória pode configurar crime contra a ordem tributária. As penalidades vão de multa de 75% a 150% do valor devido a título de IR até a prisão. Portanto, considere se organizar desde já para enviar o documento corretamente.

Seguindo essas 4 dicas, será mais fácil realizar a declaração de seus investimentos no Imposto de Renda. No entanto, caso não se sinta seguro para fazê-la por conta própria, considere buscar o auxílio de um profissional.

Quer ter o controle de todos os seus investimentos em uma única ferramenta e facilitar a gestão do seu patrimônio? Conheça o Kinvo Premium e aproveite de todas as suas funcionalidades!

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar