Kinvo Artigos

Investir em ações: tudo o que você precisa saber para aplicar na prática!

Investir em ações: tudo o que você precisa saber para aplicar na prática!

Compartilhe essa publicação

O mercado de ações oferece diferentes oportunidades para quem deseja investir em empresas de múltiplos segmentos. Assim, papéis de diversas companhias negociadas na B3, a bolsa de valores brasileira, podem ajudá-lo a compor sua estratégia de aportes.

No entanto, é preciso ter atenção à tomada de decisão e às operações realizadas. Dessa forma, é possível ter mais segurança para analisar as ações disponíveis e escolher aquelas mais interessantes para os seus objetivos.

A seguir, veja o que você precisa saber para investir em ações na prática e descubra como criar a sua carteira!

O que é uma ação e como funciona o mercado?

A ação representa uma pequena parte do capital social de uma empresa. Portanto, ao comprar esse papel, você se torna sócio ou acionista da companhia e pode participar de seus resultados.

Vale notar que as ações são negociadas na bolsa de valores e representam um investimento de renda variável. Na hora de investir, você pode comprar o lote padrão (que é de 100 ações) ou unidades no mercado fracionário (que permite comprar de 1 a 99 ações).

Além disso, existem outras características que você deve conhecer sobre o mercado de ações. Veja!

Tipo de mercado

A compra de ações pode acontecer em dois tipos principais de mercado: o primário e o secundário. No mercado primário, você adquire as ações diretamente da empresa e os recursos seguem para o caixa da companhia.

É o que acontece ao participar de uma oferta pública inicial (IPO) — que marca a estreia da empresa no mercado — ou de uma oferta pública subsequente (follow on), para companhias já listadas. Nesses momentos, a empresa emite novas ações e as comercializa pela primeira vez no mercado.

Você também pode investir por meio do mercado secundário. Por meio dele, é possível comprar ações de outro investidor ou oferecer seus ativos aos interessados. Logo, os recursos se movimentam entre os investidores — sem envolver a empresa.

Rendimento

O retorno com o investimento em ações pode ser obtido de diferentes maneiras. A primeira possibilidade é mediante o ganho de capital, que ocorre quando você obtém lucro com a venda dos papéis. Nesse caso, é preciso que o preço de venda seja maior que o preço médio de compra.

A conquista de rendimento com ações também envolve o recebimento de proventos. Esses são benefícios pagos aos acionistas, que podem incluir dinheiro, ações ou direito de compra de novos papéis.

Ações que pagam bons dividendos, por exemplo, distribuem uma parte maior do lucro líquido ou o fazem com mais frequência. Com isso, o retorno do investimento pode ser ampliado no longo prazo.

Também existem outras formas de rentabilizar o investimento nesses papéis, como por meio do aluguel de ações ou com a realização de operações estruturadas.

Quais os principais tipos de ações na bolsa?

Além das características gerais dos investimentos, é importante conhecer quais são os tipos de ações que existem na bolsa de valores brasileira. As ações ordinárias (ON), por exemplo, são identificadas pelo número 3 no final do código do ativo (ticker).

Elas concedem ao acionista direito a voto nas decisões da empresa. Já as ações preferenciais (PN) podem usar os números 4, 5 e 6. Elas não dão direito a voto, mas oferecem a preferência no recebimento de dividendos e de eventuais recursos distribuídos na liquidação da empresa.

As units, por sua vez, usam o código 11 ao final do código. Elas são compostas por um conjunto de ações preferenciais e ordinárias, em uma proporção definida por cada empresa.

Como escolher ações para investir?

Até aqui, você viu como funciona o mercado de ações e como essa oportunidade pode ser aproveitada. Agora, é necessário aprender a identificar quais são as melhores ações para investir visando o longo prazo. Para tanto, vale recorrer à análise fundamentalista.

Essa metodologia utiliza os indicadores fundamentalistas para diagnosticar a situação econômica, financeira e operacional do negócio. Assim, é possível avaliar com mais segurança quais podem ser as melhores oportunidades — buscando empresas com melhores perspectivas de resultados, pro exemplo.

Entre os indicadores usados, há muitas opções disponíveis, como:

  • P/L: é a relação entre o preço do papel e o lucro por ação, indicando o quanto o mercado está disposto a pagar pela geração de lucro do negócio;

  • P/VPA: semelhante ao P/L, é a relação entre preço e valor patrimonial por ação, indicando a precificação do mercado em relação ao patrimônio do negócio;

  • Ebitda: representa o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização e indica a capacidade de geração de caixa da empresa, com base das atividades operacionais;

  • Dividend yield (DY): é a relação entre o total de dividendos pagos nos últimos 12 meses e o preço da ação, indicando o retorno sobre dividendos;

  • Retorno sobre patrimônio líquido (ROE): é dado pelo lucro líquido sobre o patrimônio líquido e demonstra a capacidade de geração de resultados líquidos pela empresa, com base no patrimônio.

Vale a pena fazer uma análise considerando diferentes indicadores fundamentalistas, pois essa prática ajuda a ter uma visão mais completa do negócio. É possível tirar conclusões sobre os números da empresa e, a partir de então, fazer projeções para investir ou não em determinadas ações.

Além disso, você pode comparar os indicadores entre empresas listadas no mesmo setor na B3. A estratégia ajuda a encontrar a melhor oportunidade de determinado segmento.

Como investir em ações? 

Sabendo como escolher as ações, se torna mais fácil realizar o investimento. Porém, ainda é preciso observar as etapas dessas operações na prática. Antes de comprar ações, comece identificando seu perfil de investidor e seus objetivos financeiros.

Esse investimento pode ser mais adequado para investidores moderados e arrojados e com foco no longo prazo, devido aos riscos e ao prazo de maturação do aporte. Depois de decidir que as ações são adequadas para você, é preciso abrir conta em uma instituição financeira.

Desse modo, você poderá usar o home broker, por meio do qual é possível emitir ordens de compra e venda de ações. Então basta procurar o ticker dos ativos de seu interesse e realizar a compra. Após criar a sua carteira de ações, também é importante realizar o acompanhamento e o rebalanceamento periódico do portfólio.

Como você viu, investir em ações é uma possibilidade que pode trazer diversificação à sua carteira. Existem muitas opções disponíveis na bolsa — e múltiplas formas de rentabilidade. Com essas informações, você terá agora mais elementos para tomar decisões de acordo com o seu perfil e interesses pessoais,

Este artigo foi útil para você? Assine nossa newsletter para acompanhar todas as novidades do blog do Kinvo!

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar