Kinvo Artigos

Como declarar investimentos no Imposto de Renda 2022?

Como declarar investimentos no Imposto de Renda 2022

Compartilhe essa publicação

Uma das tarefas que muitos brasileiros precisam cumprir no início do ano é o envio da declaração do Imposto de Renda (IR). Se você é investidor, precisará declarar seus investimentos em renda fixa e em renda variável no documento.

No entanto, o processo ainda gera muitas dúvidas. Como o Governo cruza os dados dos contribuintes com diversos registros, é fundamental ter atenção durante o preenchimento da declaração para evitar inconsistências.

Pensando em facilitar sua rotina, este artigo apresentará informações sobre como declarar os investimentos no IR 2022. Acompanhe!

Quem deve declarar o IR 2022?

A Receita Federal define as regras sobre quem deve declarar o Imposto de Renda. Desse modo, quem se encaixa em pelo menos um dos critérios estabelecidos precisa fazer a declaração com as informações corretas.

Entre os cidadãos que devem enviar a declaração, estão aqueles que, em 2021:

  • receberam rendimentos tributáveis acima do limite definido;

  • receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte cuja soma foi superior ao limite definido para essa categoria;

  • realizaram operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros;

  • entre outros.

Como as definições podem variar a cada ano, é importante consultar as informações atualizadas no site da Receita Federal após a liberação do programa para envio do documento. Além disso, é essencial saber quais investimentos devem ser declarados, caso você se encaixe nos critérios.

Na prática, todos os seus aportes, tanto em renda fixa quanto em renda variável, devem ser declarados no IR. Isso inclui as alternativas isentas da tributação — como a poupança, as letras de crédito imobiliário e do agronegócio (LCIs e LCAs) e as debêntures incentivadas.

O motivo para declará-los que todos esses títulos fazem parte do seu patrimônio. Logo, eles devem constar na declaração para que o Governo tenha informações atualizadas sobre as suas finanças.

Como declarar os investimentos de renda fixa?

Agora você sabe quem precisa declarar o Imposto de Renda e que todos os investimentos devem constar no documento. Porém, também é preciso entender como preencher a declaração considerando os títulos de renda fixa que você possui.

Aprenda a seguir!

Títulos isentos

Os títulos de renda fixa podem ser classificados em isentos e tributáveis. Como você aprendeu, todos devem constar na declaração anual do IR. No documento, as informações devem ser apresentadas separadamente, considerando cada investimento que você possui na carteira.

O registro das aplicações é feito na aba “Bens e direitos”. Porém, se você fez resgates em 2021, é necessário informar os lucros obtidos na aba de “Rendimentos isentos e não tributáveis”.

Títulos tributáveis

Você já conhece alguns exemplos de aplicações de renda fixa não tributáveis. Porém, também existem os títulos tributados na fonte. Por exemplo:

  • títulos do Tesouro;

  • certificados de depósito bancário (CDBs);

  • debêntures comuns.

Nesses casos, é preciso declarar o montante investido na aba de “Bens e direitos”. Além disso, se algum resgate foi feito no ano-calendário, é necessário registrar os rendimentos obtidos na aba de “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva ou definitiva”.

Como declarar os investimentos de renda variável?

Como você viu, declarar os investimentos de renda fixa é relativamente simples. Contudo, o cenário muda quando se trata da renda variável, pois existem alguns detalhes que devem ser considerados.

Confira as principais informações para fazer a declaração de fundos de investimento e ações no IR:

Fundos de investimento

Se você investe em fundos de investimentos, saiba que o processo para declará-los no Imposto de Renda é semelhante aos títulos de renda fixa tributados. Assim, o montante investido deve ser informado na aba “Bens e direitos”.

Para fazer o registro, é importante ter atenção a cada classificação de fundo. O código informado deve estar de acordo com o que consta na sua carteira, como fundo de ações, multimercados etc. Já a rentabilidade é incluída na ficha “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva ou definitiva”.

Vale ressaltar que os dividendos dos fundos imobiliários são isentos de IR quando o fundo é negociado na bolsa de valores, possui mais de 50 cotistas e o investidor não tem mais do que 10% das cotas. Nesse caso, eles devem ser informados na aba “Rendimentos isentos e não tributáveis”.

Já o ganho de capital com a venda de cotas deve ser informado na seção “Renda Variável”, na ficha “Operações Fundo Invest. Imob.”. Já os ganhos com exchange traded funds (ETFs) são incluídos na ficha “Operações Comuns/Day Trade”.

Ações

Já as ações possuem características que dependem de diferentes cenários. Nas operações tradicionais, ou seja, em que a compra e a venda dos papéis acontecem em dias diferentes, há a tributação quando o volume de venda mensal ultrapassa R$ 20 mil.

Aqui, a alíquota é de 15% e incide apenas sobre o lucro obtido com a venda das ações. Já no day trade, em que as operações são iniciadas e encerradas no mesmo dia, não há faixa de isenção. Nesse caso, a alíquota de IR será de 20%.

Vale destacar que é responsabilidade do investidor emitir e pagar o DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) sempre que houver imposto devido no mês. Porém, ao preencher a declaração de 2022, lembre-se de que todos os meses de 2021 devem ser registrados.

Confira o passo a passo para declarar as ações no IR:

Passo a passo

O saldo investido em ações deve ser declarado na aba “Bens e direitos”. Quem realizou operações e vendeu menos de R$ 20 mil mensais deve informar o lucro obtido na aba de “Rendimentos isentos e não tributáveis”.

Escolha a opção referente aos ganhos líquidos conquistados em operações realizadas no mercado à vista. Lembre-se de que é necessário dividir as operações comuns e as realizadas no mesmo dia (day trade).

Depois, os valores que ultrapassaram o limite mensal devem ser informados com base nos dados contidos nos DARFs emitidos a cada mês. Adicione também os possíveis prejuízos a compensar. Por fim, é preciso declarar os eventuais proventos recebidos durante o ano-calendário.

Os dividendos são isentos de IR, enquanto outros, como os juros sobre capital próprio, são passíveis de tributação. Declare os isentos na aba “Rendimentos isentos e não tributáveis” e acrescente os passíveis de tributação na aba “Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva”.

Vale ressaltar que o preenchimento deve ser feito para cada empresa que faça parte do seu portfólio de investimentos.

Com essas informações, você poderá declarar seus investimentos com mais tranquilidade em 2022. Lembre-se de preencher todas as informações com atenção para evitar erros e, consequentemente, problemas com a Receita Federal.

Gostou das informações? Aproveite e compartilhe nas suas redes sociais para que mais pessoas consigam declarar os investimentos no Imposto de Renda corretamente!

Fique sempre atualizado.

Assine nossa newsletter e receba conteúdo sobre o
mercado financeiro todos os dias.

    Você também vai gostar